segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Pedro Sancho é o Árbitro da Semana

Pedro Miguel Gomes Sancho, nasceu a 16 de Novembro de 1986, tem 23 Anos e é Estudante Universitário.

Quando inicias-te a actividade e qual o teu percurso?
Completei o final da época 2003/04 como árbitro estagiário. Iniciei a época de 2004/05 como árbitro de segunda categoria distrital, na época seguinte terminei no 1ºlugar do escalão B da primeira divisão distrital, ascendendo ao quadro de árbitros que lutam pela promoção aos campeonatos nacionais. Este ano parto para a 5ªépoca no patamar superior da arbitragem algarvia.

O que te levou a ser árbitro?
Desde criança que acompanhei o meu pai a assistir a jogos de futebol, começando desde cedo a ter uma fidelidade crescente por esta modalidade, e foi com alguma curiosidade que aceitei o desafio de um grande amigo meu de liceu, que tinha tirado o curso no ano anterior, e me entusiasmou a tirar o curso de árbitro de futebol.


O que esperas ainda da arbitragem para o teu futuro?
Não sou pessoa de fazer planos a longo prazo, por isso os meus sonhos na arbitragem passam por aprender e consolidar todos os aspectos técnicos, tácticos, físicos e psicológicos necessários. Luto por uma oportunidade de passar aos quadros nacionais, pois sei que tenho qualidade para dar esse passo, mas deve ser dado de forma consistente de forma a evitar dissabores no futuro.

Como vês a evolução da arbitragem Algarvia e o que alteravas para a melhorar se for esse o caso?
A arbitragem Algarvia está a melhorar, não tenho dúvidas. Apesar disso, julgo ser necessário motivar os nossos árbitros a trabalharem ainda mais. A captação, acompanhamento na preparação e incentivo aos jovens árbitros são os aspectos que ao melhorarem trariam maior estabilidade à arbitragem a nível distrital, porque só assim é possível um ciclo de bons árbitros no Algarve.

Como vês a evolução da arbitragem Portuguesa no cenário nacional e internacional?
A arbitragem Portuguesa a nível nacional está a melhorar, já que apesar do escrutínio das câmaras ser maior os erros dos árbitros, na sua maior parte, são “aceitáveis”, pois muitos dos erros cometidos só nos é possível distingui-los nas várias repetições do mesmo lance. A nível internacional é óbvio a boa prestação dos árbitros lusos que aparecem muitas vezes nomeados para competições UEFA e em fases avançadas da competição.
Apesar da melhoria notada, penso que as arbitragens têm potencial para atingir um nível muito superior assim que se resolvam todos os problemas em redor da profissionalização do sector.

Até hoje qual foi o acontecimento que mais marcou a tua carreira?
A minha carreira ainda é curta e nas seis épocas que completei como árbitro não houve nenhum acontecimento que me tivesse marcado de forma especial. Já passei por momentos caricatos e histórias engraçadas e outras nem tanto, mas penso que tudo dentro do normal evoluir dum jovem árbitro.

É fácil conciliar-se a vida de árbitro com a vida familiar?
É um pouco difícil de conciliar os dois mundos, mas procuro fazê-lo com uma gestão eficaz do tempo. Felizmente as pessoas que me rodeiam compreendem a situação e apoiam-me o que torna tudo um pouco mais fácil, ainda assim sei que os estudos, a namorada, os amigos e a família ficam a “perder” muitas vezes, porque tenho de abdicar de algum tempo para a arbitragem.

Que mensagem gostarias de deixar a todos os que passam pelo blogue?
Primeiramente quero dar os parabéns à administração do blogue pelo espaço que contém sempre notícias actualizadas e muitas reportagens interessantes e úteis. A todos os que por aqui passam gostava de deixar uma mensagem de incentivo para a participação no blogue, porque este é também um espaço de troca de ideias e um local para colocarmos dúvidas e deixarmos histórias e conselhos, para que quem nos consulta possa aprender e crescer no espírito da arbitragem.

O ArbitragemAlgarvia agradece ao Pedro a disponibilidade para esta entrevista e deseja-lhe uma excelente época.

Reacções:

0 comentários: