quarta-feira, 15 de junho de 2011

«Hoje fico arrependido por não ter sido árbitro mais cedo» Carlos Cabral

O ArbitragemAlgarvia agora que findou a época foi ao encontro do árbitro Carlos Cabral 1º classificado na ELITE do Algarve, tendo ficado apto nas provas de acesso aos quadros da FPF com bons resultados. Desde já o ArbitragemAlgarvia fica agradecido pela tua colaboração.

Nome: Carlos Eduardo Fortes Cabral
Árbitro desde: 2003
Data de nascimento: 25 de Julho de 1980
Idade: 30 anos
Profissão: Funcionário dos CTT


Quando inicias-te a actividade e qual o seu percurso?
Iniciei a minha actividade por volta da época 2003/2004. O meu percurso foi bastante simples, estagiário, 2ªcat, 1ªcat B, 1ªcat A durante 3anos e 2 anos de elite!

Ricardo Martins e Carlos Cabral
O que te levou a ser árbitro?
O que me levou a ser arbitro, foi uma coisa muito engraçada, jogava eu futebol na 2ªdist. do Algarve e conhecia muitos árbitros, no qual eu me dava muito bem com eles. Quando soube que iria abrir o curso de árbitros, através do meu amigo Rui Silva, inscrevi-me logo, tirei o curso e na altura que tinha acabado o meu campeonato, fui fazer uns jogos com o Rui e ai foi paixão logo á primeira vista. (enquanto jogador nunca na minha vida pensei eu que um dia iria ser arbitro). Hoje fico arrependido por não ter sido mais cedo.

Como te sentes agora depois da tua promoção a 3ªCategoria? 
É claro que sinto uma grande felicidade, é um passo importante na carreira de qualquer árbitro, mas também não o teria conseguido sem a ajuda dos meus companheiros (Eugénio Arêz, Ricardo Gloria e Luís Nunes), no qual agradeço-os por me terem ajudado estes anos todos!

Cabral; Eugénio Arêz e Ricardo Glória
Agora nos Quadros Nacionais o que esperas ainda da arbitragem para o teu futuro?
Agora nos quadros nacionais, tenho que trabalhar ainda mais, para que possa atingir os meus objectivos, tanto a nível pessoal, como a nível profissional, pois a responsabilidade aumenta e já não é só do árbitro Carlos Cabral que se trata, agora é a nível nacional que levo o nome do Algarve!

Como te sentes em relação ao momento que a arbitragem algarvia atravessa?
Em relação ao momento que a arbitragem algarvia atravessa, posso afirmar que não é o mais saudável, pois a crise que o país atravessa veio de alguma forma mexer com o panorama da arbitragem Algarvia, temos árbitros jovens com bastante potencial, e que de alguma forma se têm perdido por este Algarve fora! Se este cenário continuar, acredito que daqui a 2/3 anos não temos árbitros nem para jogos de seniores da 2ª distrital.

Como vês a evolução da arbitragem Algarvia e o que alteravas para a melhorar se for esse o caso?
A arbitragem Algarvia teve uma grande evolução em termos da qualidade de árbitros, acredito que qualquer arbitro que esteja no escalão elite ou A tem qualidades suficientes para estar no patamar dos nacionais! Ao longo destes anos se tem verificado uma melhoria nas arbitragens algarvias, graças a um trabalho exemplar da comissão de apoio e técnico, que tudo faz, para que os seus árbitros estejam bem preparados. Para Melhorar, tentava arranjar melhores condições de trabalho, neste momento os árbitros algarvios não têm um centro de estágio, onde possam treinar, melhorar as suas performances, etc.
No centro e norte do país, os árbitros têm melhores condições de trabalho do que o Algarve, por isso reflecte-se todos os anos, cada vez mais aparece menos árbitros a nível nacional.


Carlos em acção
Como vês a evolução da arbitragem Portuguesa no cenário nacional e internacional?
A evolução da arbitragem Portuguesa no cenário nacional e internacional tem evoluído bastante, cada vez menos nota-se a nível nacional, os nossos árbitros a errarem menos e isso é fruto do excelente trabalho que se tem vindo a desenvolver nesta matéria, apesar dos nos árbitros serem semi-profissionais, eles comportam-se como uns grandes profissionais!
Por isso não é de estranhar que cada vez mais, vemos árbitros Portugueses a dirigir jogos internacionais, são-lhes reconhecidos competências!

Até hoje qual foi o acontecimento que mais marcou a tua carreira?
Para mim, desde que cheguei a esta família da arbitragem, todos os momentos são marcantes na minha e ainda curta carreira de árbitro, mas sem dúvida que esta promoção veio marcar, o esforço e a dedicação que tenho tido ao longo destas temporadas!

É fácil conciliar-se a vida de árbitro com a vida familiar?
Depende de vários factores, a tua vida profissional por exemplo, se não tiveres tempo disponível aos fim-de-semana ou durante a semana para treinares e estudar, torna-se complicado! Em relação á família, só se torna fácil, se compreenderem as situações e horários a que estamos sujeitos! No meu caso é bastante fácil, pois tenho uma esposa que me dá todo o apoio e me incentiva para que continue a fazer aquilo que mais gosto, que é arbitrar um jogo de futebol. Caso contrário torna-se complicado.

Glória ; Arêz ; Cabral (Em jogo para a Taça do Algarve)
Á pouco tempo foste eleito presidente do NAF do Barlavento, qual os teus objectivos enquanto presidente do núcleo?
Quando fui eleito, houve um sócio do meu núcleo que me fez a seguinte pergunta: “quais são as promessas que fazes aos sócios para este mandatário de 2 anos”? e eu respondi: Prometo que nada Prometo, mas farei tudo o que estiver ao meu alcance, para que todos os sócios, árbitros e todas as pessoas que nos quiserem visitar, dar-lhes as melhores condições possíveis de estudo e outros afins, para que consigam atingir os seus objectivos, pois é para isso que o núcleo serve, e os objectivos dos sócios, também são os meus!

Que mensagem gostarias de deixar a todos os que passam pelo blogue?
Gostaria de deixar uma mensagem a todos os que passam pelo blogueblogue pelo excelente trabalho e pela divulgação da nossa região em termos de arbitragem e muito obrigado por tudo!

O ArbitragemAlgarvia desde já deseja-te toda a sorte do mundo para esta tua nova etapa na carreira.

Reacções:

0 comentários: